Aqui procurarei depositar retalhos de Estórias e da História de Mossâmedes (Moçâmedes, actual Namibe), uns, resgatados às páginas de antigos livros e documentos retirados das prateleiras de alfarrabistas, ou rebuscados no interior de bibliotecas, reais e virtuais... e ainda outros, fundados em testemunhos de vivos e experiências vividas. Porque é nas estórias e na História, naquilo que de melhor ou pior aconteceu, que devemos, todos, portugueses e angolanos, europeus e africanos, buscar ensinamentos, para que, não repetindo os erros do passado, sejamos capazes de nos relançar e progredir no futuro, enquanto pessoas e cidadãos. Citando o Padre Ruela Pombo (*): "Os mortos guiam os vivos!... É verdade: sem freio nem chicote...O passado impõe-se ao presente, e garante o futuro.O homem egoísta é inimigo do verdadeiro Progresso e prejudicial à Sociedade. É esta a minha ...ilusão!"



(*) in
“Paulo Dias de Novais e a Fundação de Luanda – 350 anos depois...”, 2 de Dezembro de 1926 – Arquivo Histórico Ultramarino, Lisboa, Portugal












terça-feira, 14 de agosto de 2007

Componentes da segunda colónia: Manuel Rodrigues Pinto da Rocha e Idalina Soares de Albergaria







1. Manuel Rodrigues Pinto da Rocha, natural de Tendais (Distrito de Vizeu), componente da Segunda Colónia chegada a Moçâmedes ida de Pernambuco (Brasil) em 1850, onde casou com Idalina Soares de Albergaria, natural de Pernambuco, também componente da Segunda Colónia.








2. Idalina Soares de Albergaria, natural de Pernambuco, componente da Segunda Colónia chegada a Moçâmedes ida de Pernambuco (Brasil) em 1850, onde casou com Manuel Rodrigues Pinto da Rocha, nascido em Tendais, que também fez parte da mesma colónia.



Sobre estes pioneiros da fundação de Moçâmedes, Manuel Rodrigues Pinto da Rocha e Idalina Soares de Albergaria, não conseguimos acrescentar muito mais, mas no site GeneallNet, de Ana Clara Ribeiro, encontramos as seguintes informações sobre  Francisco Rodrigues Pinto da Rocha, irmão de
Manuel Rodrigues Pinto da Rocha e de um filho deste,  Francisco Rodrigues Pinto da Rocha Júnior que foi professor e advogado em Moçâmedes. Seguem as suas fotos.




 Francisco Rodrigues Pinto da Rocha. irmão de Manuel Rodrigues Pinto da Rocha.  Teria viajado do Brasil para Mossâmedes/Moçâmedes, na mesma época, em 1850  (2ª colónia de pioneiros fundadores).
Foto gentilmente cedida por  Fátima Rocha Matias.

 
Francisco Rodrigues Pinto da Rocha Júnior. De acordo com referências fornecidas por
Ana Clara Ribeiro em GeneallNet, foi professor e advogado em Moçâmedes. Teve 6 filhos entre os quais a minha avó Branca Irene Pinto da Rocha Guerreiro. conheci 3 irmãos Albano Pinto da Rocha, Ilda Pinto da Rocha Rendeiro e Alcindo Floriano Pinto da Rocha. Nenhum deles viveu em adulto em Moçâmedes.
Foto gentilmente cedida por  Fátima Rocha Matias





Também Fátima Matias enviou.nos o texto que segue, bastante elucidativo sobre Francisco Rodrigues Pinto da Rocha Júnior:

"Primeiras Letras em Angola"
Biografias de Mestres

Página 1 de 1

Francisco Rodrigues Pinto da Rocha Júnior era natural de Moçâmedes, onde nasceu pelo ano de 1862. Sabemos que frequentou o Liceu nacional de Lisboa, onde fez o curso secundário, ou seja, aproximadamente, o actual curso geral dos liceus.

Temos conhecimento de que, em 21 de Outubro de 1880, começou a sua actividade como funcionário, tendo sido nomeado ajudante interino da Conservatória, em Moçâmedes. Podemos acompanhar os seus passos até ao fim de 1883; encontramo-lo a prestar serviço na Repartição da Fazenda e na secretaria do Governo do Distrito. Deixamos de contactar com ele durante sete anos, ignorando se se conservou na sua cidade, o que será a hipótese mais provável.

O concurso documental aberto em 22 de Outubro de 1890 para o provimento da escola primária, do sexo masculino, em Moçâmedes, não deve ter dado um titular a este estabelecimento de ensino. Chegamos a essa conclusão verificando que, em 30 de Março de 1891, foi nomeado interinamente o professor Francisco Rodrigues Pinto da Rocha Júnior, que tomou posse a 16 de Abril.

Pudemos compulsar um documento referente a este funcionário e professor, emitido em 1894, em que se escreveu o seguinte:

- Está habilitado para o cargo, mas como é mal remunerado procura aumentar os seus vencimentos servindo de advogado de provisão, e assim prejudica algum tanto o serviço da escola.

Podemos informar que, em 19 de Janeiro de 1898, foi participado ao professor Francisco Rodrigues Pinto da Rocha Júnior que o seu requerimento em que pedia para ser confirmado no cargo de mestre de primeiras letras, em Moçâmedes, não fora deferido devido a não ter provado ter mais de três anos de bom e efectivo serviço. O requerimento mencionado fora remetido para Lisboa em 28 de Agosto de 1897.

No dia 12 de Maio de 1910, na contagem do tempo de serviço, do professor de Moçâmedes, Francisco Rodrigues Pinto da Rocha (Júnior) afirmava-se que tinha prestado mais de vinte e dois anos e meio de actividade docente. Já antes, em 1 de Fevereiro de 1898, tinha sido comunicado ao governador do distrito, a que pertencia, que este funcionário contava mais de dez anos de actividade ao serviço do Estado, como professor de instrução primária.

Devemos esclarecer que, a partir de certa altura, deixou de usar o indicativo de “Júnior”. Isso pode levar-nos a pensar que seu pai tivesse o mesmo nome e que, depois do seu falecimento, eliminasse o termo que os distinguia. Continuaremos, no entanto, a escrever o seu nome completo, pondo em parêntesis aquela palavra, quando for acrescentada por nós.

Por portaria de 6 de Junho de 1912, Francisco Rodrigues Pinto da Rocha (Júnior), professor da escola masculina do concelho de Moçâmedes, foi julgado incapaz de continuar a prestar serviço, depois de ter sido observado pela Junta de Saúde. Ignoramos, no entanto, se chegou a aposentar-se.

Queremos chamar a atenção para o facto de, em 30 de Maio de 1916, ao fazer-se a remodelação das Juntas de Instrução, em diversas localidades de Angola, nos aparecer o seu nome, dando-se-lhe a designação de professor. Quer-nos parecer que continuava ainda em exercício.

Encontramos dentro do período de actividade deste professor diversos agentes de ensino a prestar serviço em Moçâmedes. Podemos admitir a hipótese de serem seus substitutos, em períodos de licença, ou talvez a suposição de serem professores da escola municipal, que nessa altura havia na cidade e estava em funcionamento.

O relatório de Manuel Martins Contreiras, de Junho de 1893, diz-nos que a escola que este professor leccionava era, por certo, a melhor da Província, embora não tivesse sido construída para tal fim. Ficava situada na Praça do Marquês de Sá (da Bandeira?) e era propriedade do Estado. As carteiras tinham banco solto, assemelhando-se às que se usavam na França, as do sistema Lenoir. O mesmo documento refere que o professor tinha sido nomeado por concurso.

[ Encontro com a Escrita ] [ Página Principal ] [ Biografia de Mestres - Principal ] [ Primeiras Letras em Angola - Principal ]




Nota:

No final do texto imediatamente acima há referência à Praça de Marquês de Sá da Bandeira, onde ficava a Escola em que o professor Francisco Rodrigues Pinto da Rocha leccionava e que surge no relatório de Manuel Martins Contreiras, de Junho de 1893,como senso a melhor da Província, embora não tivesse sido construída para tal fim, com carteiras de banco solto, à semelhança das que se usavam em França, de sistema Lenoir.  Na realidade, por esse tempo era França e especialmente de Paris, que todas as novidades emanavam. França era como que um farol, um modelo para a humanidade , com seus valores de liberdade, fraternidade e igualdade. Quero apenas acrescentar que existia de facto um largo onde nos anos 1930, já com Salazar e o Estado Novo no poder, foi construida a Escola Portugal, ou Escola n 55 de Fernando Leal, hoje Escola "Pioneiro Zeca". Ora, esse largo  convergia com a rua Governador Calheiros e com a Rua da Fábrica, e ocupava todo um  imenso quarteirão.  Foi no seu epicentro que foi erguido um Obelisco ao Marquês de Sá da Bandeira, o liberal progressista que no dia 10 de Dezembro de 1836, na sequência da Revolução de Setembro em Portugal, decretou a abolição do tráfico de escravos. Mais tarde quando foi construída a Escola Portugal, o Obelisco transitou para a Avenida da República, para o lugar onde se encontra o Quiosque que conhecemos por Quiosque do Faustino.  Mais tarde, nos anos 1940, foi de novo dali retirado e colocado na Praceta onde hoje se encontra, muito perto do Bairro da Facada.  Quanto à Escola, citada no Relatório de 1893, onde Francisco Rodrigues Pinto da Rocha leccionava,  lembro-me perfeitamente de ter existido ali bem junto ao local onde ficava a dita Praça Marquês de Sá da Bandeira, a primitiva Escola nr. 49, de que era Director na década de 40 o professor Canedo. Penso que este aspecto ficou esclarecido. Ainda sobre o citado professor, (natural de Vizeu,Cinfães, 07.10.1833, falecido em Moçâmedes em 08.05.1900), suas funções de professorado são salientadas também num estudo que se pode consultar na Página pessoal de Martins dos Santos, subordinado ao título «Cultura, Educação e Ensino em Angola» cap.12 in http://www.geocities.com/athens/troy/4285/ensino12.html ver tb http://www.geneall.net/P/per_page.php?id=1039607
 Conf. Anuários de 1908/1909:
- FRANCISCO RODRIGUES PINTO da ROCHA - Professor(Régio) em Mossamedes(Angola),1908
- FRANCISCO PINTO da ROCHA - Armações de Pesca, Agricultor,Commissões e Consignações, Generos Coloneais e Peixe,Padaria em Mossamedes,1908

9 comentários:

  1. O meu Avô paterno, Jayme Rocha, é filho de Francisco Pinto da Rocha (natural de Tendais -Cinfães do Douro) e de Idalina da Costa Maia e Rocha, natural de Moçâmedes, sendo neto paterno de António Pinto da Rocha e de Felicidade Pinto da Rocha e neto materno de José Rodrigues Pires de Maia e de Thereza da Costa Maia. Esta informação consta de uma certidão de Nascimento do meu avô. O Bisavô Francisco Pinto da Rocha e a Bisavó Idalina tiveram 7 filhos ( o tios-avós Francisco , Jovina, Evelina, Vergílio, Jayme, Adília e Jorge). Os rapazes estudaram num colégio em Santo Tirso. Sinceramente desconheço se existiria uma relação de parentesco entre o Manuel Pinto da Rocha e o Francisco Pinto da Rocha aqui identificados e estes meus familiares. Não tenho fotos dos bisavós. Por outro lado, este meu familiar veio de tendais mas um seu tio Pinto da Rocha veio de Pernambuco. Tinham uma fazenda e tiveram sempre ligados à Câmara (o meu avô trabalhou sempre lá. Foi secretário, acho eu). O avô Jayme casou com a avó Matilde da Ressurreição Maia Rocha (que era de Vermoim). Se alguém me puder esclarecer, agradecia. Um abraço. José Bernardino Rocha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. José Rocha. após alguma pesquisa encontrei este seu comentário que me deu alguma curiosidade.
      O José era filho de quem?
      Eu estou casado com uma filha de José Manuel Maia Rocha que era filho de Jaime da Costa Maia Rocha e irmão de Mário da Ressurreição Maia Rocha.

      Abraço Jaime da Gama

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
  2. Jaime: boa noite! Sou filho do Jorge da Ressurreiçāo Maia Rocha e de Maria do Carmo Mendonça de Oliveira Bernardino Rocha. Meu pai destacou-se no Ténis, tendo sido campeão provincial de Angola aos 16 Amos de idade. Desde entāo voltou a ser campeão de Angola. Tinha uma pequena divisāo em casa com troféus. O tio Mário era irmão do meu pai e da Tia Fausta que se Cason com o Jorge Radich. Quem me deu toda esta informaçāo da família foi a Tia Fernanda que vive junto ao Porto e é filha do avô Jayme, do seu segundo casamento. O meu pai chama-se Jorge, segundo Reza a história, em homenagem ao tipo avô Jorge que foi o irmão mais novo do avô Jayme. Tenho várias fotos do avô Jayme rubric adas por si em Lisboa datadas de 1911 !! Abraço josé

    ResponderEliminar
  3. Jaime: boa noite! Sou filho do Jorge da Ressurreiçāo Maia Rocha e de Maria do Carmo Mendonça de Oliveira Bernardino Rocha. Meu pai destacou-se no Ténis, tendo sido campeão provincial de Angola aos 16 Amos de idade. Desde entāo voltou a ser campeão de Angola. Tinha uma pequena divisāo em casa com troféus. O tio Mário era irmão do meu pai e da Tia Fausta que se Cason com o Jorge Radich. Quem me deu toda esta informaçāo da família foi a Tia Fernanda que vive junto ao Porto e é filha do avô Jayme, do seu segundo casamento. O meu pai chama-se Jorge, segundo Reza a história, em homenagem ao tipo avô Jorge que foi o irmão mais novo do avô Jayme. Tenho várias fotos do avô Jayme rubric adas por si em Lisboa datadas de 1911 !! Abraço josé

    ResponderEliminar
  4. Jaime: boa noite! O meu pai chama-se Jorge da Ressurreiçāo Maia Rocha, foi Casado com Maria do Carmo Mendonça de Oliveira Bernardino Rocha e é irmāo do Mário e da Fausta. O meu pai já faleceu. O avô Jayme Casou-se em segundas núpcias e teve a Filha Fernanda que vive no Porto e foi quem me forneceu a informaçāo que transcrevi atrás. A Tia Fernanda tem mais irmāos e o avô Jayme voltou a ter mais filhos doutras uniōes ulteriores. Eu conheci o tio Jayme e há um tio Mais novo que nāo conheci. O meu pai chama-se Jorge em homenagem ao irmāo mais novo do avô Jayme que faleceu tragicamente na casa de S. tirso aos 18 Anos. Tenho várias fotos do avô datadas de 1911, em Lisboa e por si rubricadas. Um abraço josé

    ResponderEliminar
  5. José, bom dia!Então sendo sobrinho da Tia Fernanda (Rio Tinto - Porto)que era irmã do meu sogro José Manuel Maia Rocha, o José é primo direito da minha mulher (Cecília Maia Rocha).
    Os nomes que o José referenciou são do meu conhecimento pela histórias que oiço contar.
    Estou a fazer a minha árvore genealógica (Gama)e também a da (Maia Rocha).
    José, podemos manter contato por email?
    jaimaarrobagmail.com

    Um abraço

    Jaime da Gama

    ResponderEliminar
  6. Jaime, boa noite! Fico contente e quanto pudermos gostaria de conhecer-vos pessoalmente. Contactarei por emal, sendo o meu b-rocha@sapo.pt mas, desta vez, aproveito este espaço para o convidar a ir ao blog da 1a colónia de mossamedes , já ao Lado, para ver a foto do trizavô Jose Rodrigues Pires da Maia que era o avô materno do meu avô Jaime. Era Casado com Thereza da Costa Maia. Um abraço josé



    ResponderEliminar