Aqui procurarei depositar retalhos de Estórias e da História de Mossâmedes (Moçâmedes, actual Namibe), uns, resgatados às páginas de antigos livros e documentos retirados das prateleiras de alfarrabistas, ou rebuscados no interior de bibliotecas, reais e virtuais... e ainda outros, fundados em testemunhos de vivos e experiências vividas. Porque é nas estórias e na História, naquilo que de melhor ou pior aconteceu, que devemos, todos, portugueses e angolanos, europeus e africanos, buscar ensinamentos, para que, não repetindo os erros do passado, sejamos capazes de nos relançar e progredir no futuro, enquanto pessoas e cidadãos. Citando o Padre Ruela Pombo (*): "Os mortos guiam os vivos!... É verdade: sem freio nem chicote...O passado impõe-se ao presente, e garante o futuro.O homem egoísta é inimigo do verdadeiro Progresso e prejudicial à Sociedade. É esta a minha ...ilusão!"



(*) in
“Paulo Dias de Novais e a Fundação de Luanda – 350 anos depois...”, 2 de Dezembro de 1926 – Arquivo Histórico Ultramarino, Lisboa, Portugal












sexta-feira, 19 de março de 2010

Mossamedes Antiga na pena de José Pereira do Nascimento In «O districto de Mossamedes: 1892

 



Fotografias: Moraes, J.A. da Cunha, Álbum photographico e descriptivo, África Occidental. David Corazzi Editor, Lisboa, sem data.


Villa de Mossamedes

«A capital do districto e cabeça do concelho, denominada a Cintra d' Africa pela amenidade do seu clima, está situada em bella prespectiva no fundo de uma ampla e bem  abrigada bahia em forma de ferradura na latitude do parallelo 15º.

Foi fundada em 1845 por um grupo de corajosos colonos que imigraram do Brazil e se estabeleceram na bahia da Angra do Negro, onde apenas havia uma feitoria iniciada em 1840.

Possue ruas espaçosas, compridas, bem alinhadas e divididas em quarteirões simetricos, todas calçadas e illuminadas a petróleo. Nota-se n'ellas extremo aceio e limpeza, que rivalisam com a regular disposição e óptima divisão. Possue uma bella avenida arborisada que se prolonga com a praia e dá lindo aspecto ás suas casas, que se destacam por entre renques de palmeiras.

As casas são lindas construcções modernas, em que as boas condições hygienicas andam a par com o bom gosto e solidez. Quasi todas são assoalhadas e forradas com boas madeiras da Europa. São bem divididas, bem orientadas e aceadas. Os seus tectos são chatos e as frontarias, pintadas com gosto, são dispostas com arte e belleza. Quasi todas possuem jardim e quintal, que fornece excellentes hortaliças e tem uma ranma d'onde se extrae a agua para os usos ordinários.

Existem largos e jardins publicos bem situados, com tanques d'agua para uso do publico.

A leste da villa encontra-s um largo gradeado, em cujo centro foi erigido por subscripção publica um monumento em honra do benemérito governador Leal, que  iniciou os grandes melhoramentos que tornam Mossamedes a mais  formosa cidade europea da costa occidental da Africa e a única que pode compelir em aceio, regularidade e hygiene com as cidades da Europa.


Os seus principaes edifícios públicos são : o palácio do governo, o melhor das nossas possessões, bella obra de architectura montada com luxo e grandeza; n'elle estão installadas as principaes repartições publicas: a fortaleza de S. Fernando, construída sobre um rochedo, que domina a formosa bahia; serve de quartel ao 4º batalhão de caçadores: a alfandega, lindo edifício situado a meio da rua principal, próximo á praia; possue vastos armazéns e boas sallas; communica por meio de carris de ferro com a ponte-caes, boa construcção em ferro e madeira: o hospital em corpos separados formados de barracões, systema Tollet: a igreja, o matadouro situado optimamente á beira mar, o cemitério, bastante afastado da villa, a repartição do correio e das obras publicas, etc. 

Entre os edifícios particulares encontram-se bellos e elegantes primeiros andares e rez-do-chão, que fariam honra a qualquer cidade europêa, destacando-se d'entre elles pela sua elegância, situação e commodidade o chalet da companhia telegraphica.

A natureza não foi pródiga na distribuição dos seus benefícios a Mossamedes. O terreno sobre que assenta a villa é secco, arenoso e areno-calcareo ; a vegetação expontânea é rachitica: pois apesar de tão pouco favorecida, Mossamedes revela a que ponto chega o esforço da raça, que em 40 annos de trabalho persistente conseguiu transformar aquelle areal em uma formosa villa com jardins e hortas, onde os recursos são abundantes, a alimentação é excellente, barata e variada, com lojas onde se encontram todos õs géneros europeos e um mercado bem sortido.

Tudo quanto ali ha é devido á iniciativa e trabalho do europeu que se aclimou e produziu gerações sadias e robustas em 3º e 4º grau, que ali vivem e se desenvolvem sem manifestações apparentes que revellem resistências orgânicas á adaptação ao novo meio. A raça branca ali procreada progride de um modo evidente ; as creanças coradas, robustas e alegres não manifestam o menor vestígio da intoxicarão palustre.

Continua....

In «O districto de Mossamedes» , de José Pereira do Nascimento
0 Críticas. Typographia do jornal As Colonias Portuguezas, 1892 - 172 páginas

........................

Sem comentários:

Enviar um comentário