Aqui procurarei depositar retalhos de Estórias e da História de Mossâmedes (Moçâmedes, actual Namibe), uns, resgatados às páginas de antigos livros e documentos retirados das prateleiras de alfarrabistas, ou rebuscados no interior de bibliotecas, reais e virtuais... e ainda outros, fundados em testemunhos de vivos e experiências vividas. Porque é nas estórias e na História, naquilo que de melhor ou pior aconteceu, que devemos, todos, portugueses e angolanos, europeus e africanos, buscar ensinamentos, para que, não repetindo os erros do passado, sejamos capazes de nos relançar e progredir no futuro, enquanto pessoas e cidadãos. Citando o Padre Ruela Pombo (*): "Os mortos guiam os vivos!... É verdade: sem freio nem chicote...O passado impõe-se ao presente, e garante o futuro.O homem egoísta é inimigo do verdadeiro Progresso e prejudicial à Sociedade. É esta a minha ...ilusão!"



(*) in
“Paulo Dias de Novais e a Fundação de Luanda – 350 anos depois...”, 2 de Dezembro de 1926 – Arquivo Histórico Ultramarino, Lisboa, Portugal












sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

BALEIAS : A carne e a gordura desses cetáceaos na alimentação humana", por Carlos Carneiro


 

                                                                          Dr Carlos Baptista Carneiro


Do Veterinário Dr. Carlos Carneiro, passarei a transcrever partes de um texto publicado no Boletim Geral das Colónias Nº 174 do ano de 1948:

 
BALEIAS


«...No decurso da guerra ( 1814-1918) a Noruega, perante as espantosas necessidade de matéria gorda em todo o mundo, organizou frotas para a caça aos cetáceos no mar Ártico. Instalou fábricas para óleos e guanos em seu territorio, e em seguida em Angola para onde fez desviar uma flotilha de caça e contruiu instalações fabris na Praia Amélia, a seis quilómetros a sul de Moçâmedes.

O Antártico, entretanto, começou seduzindo este povo de navegadores e caçadores de baleias que iriam caçar em campo virgem e reconhecidamente muito abundante em cetáceos. E para a região da Antártica seguiu a primeira expedição norueguesa. Organizaram, então, empresas com capitais franceses, ingleses e noruegueses, que vieram trabalhar na costa ocidental de África, junto ao Equador, e outras que tinham o seu campo de acção naquela região glacial.

Até certo momento as instalações para o fabrico de óleos e guanos de baleia eram construidas em terra porque a caça se fazia numa zona marítima muito limitada, mas quando se reconheceu a necessidade de procurar longe os cetáceos, afugentados da costa pela perseguição sem tréguas que lhes era feita, houve que adoptar navios-fábricas dentro dos quais se realizavam todas as transformações dos despojos da baleia, desde os óleos aos torteaux alimentares.

Os noruegueses instalados em Angola, abandonando então a fábrica que possuiam na Praia a fábrica da Praia Amélia, levaram para o seu país, utilizando os navios da flotilha , todo o produto da caça aos cetáceos feita em águas angolanas, por não terem pago os direitos que os serviços aduaneiros atribuiram a esses produtos, foi posto em almoeda todo o recheio dessa instalação fabril. Anos depois, por 1936, navios caçadores dessa mesma empresa começaram sulcando o Atlântico Sul , desde o ilhéu das Rolas, junto à ilha de S. Tomé, até Porto Alexandre, que, abatendo baleias, as faziam desviar para os navios-fábrica, onde se fazia a industrialização de todos os seus produtos.»


Quanto às espécies dos mamíferos, mais abundantes nos mares de Angola, seriam, segundo relatório do Veterinário Dr. Carlos Carneiro : “a baleia preta (Megaptera longimana), a azul (Balaenoptera sibaldi), a fina (Physalus antiquorum), a rithwal (Balaenoptera guai), o cachalote ou perma- cete (Catodon macrocephalus) e a toninha (Delphinus sp).Mas, na data em que escreve, a pesca da baleia nas costas de Angola estaria já em crise ou mesmo perto do fim. Inclusivamente os armadores da pesca da baleia (maioritariamente noruegueses ou representados por portugueses que eram os seus “testas de ponte”) viam os seus interesses abalados por uma sobre-pesca ou haviam já introduzido navios-fábrica que evitavam as instalações industriais em terra e o pagamento de licenças e/ou impostos ao governo português. 



                                                          Porto Alexandre -tubarão-baleia
Tubarão baleia (Rhincodon typus). Porto Alexandre
                                                        Porto Alexandre -tubarão-baleia

Porto Alexandre -tubarão-baleia

Voltaremos a este assunto, mas entretanto diremos que Vilela a ele também se referira rapidamente escrevendo que a intensidade da perseguição às baleias no mar de Angola obrigara-as a procurar outras paragens para só reapa recerem 20 anos depois. »
 

                                                                                        

"Baleias - A carne e a gordura desses cetáceaos na alimentação humana", por Carlos Carneiro, Veterinário Chefe do Quadro Comum do Império Colonial Português


 À França se deve a iniciação da caça à baleia.  Entre fins do século XIV e principios do século XV,  o Golfo da Gasconha era considerado a mancha atlântica mais rica em cetáceos. Pescadoresda Bretanha e de Vascongadas adestraram-se no abate desses gigantescos mamíferos que, perseguidos, se dispersaram pelas costas de Espanha e de Portugal, e daí para  os mares da América do Oeste.


A França, por 1870 tomou a prioridade na caça aos cetáceos, seguida da Noruega e América que não só procuravam esses mamíferos nos mares empobrecidos, como foram exterminá-los nos mares de toso o mundo, desde a Geórgia do Sul à África Equatorial.


Em 1910foram abatidas mais de dez mil baleias e baleinópteros. Por 1914, a França, perante a eminência do total extermínio das baleias que pescavam nos mares das suas colónias ultramarinas, procuraram controlar a sua caça através de acordo internacional e estabelecimento de regulamentos severos de protecção da espécie que tornasse interdito o abate de animais novos e que obrigava os industriais a uma completa utilização de todos os seus despojos, mas a guerra eclodiu por essa altura e o assunto nas Chancelarias perdeu o interesse.  No decurso da guerra de 1914-1918, a Noruega, perante as espantosas necessidades de matéria gorda em todo o mundo, organozou frotas para a caça de cetáceos no mar artico. Instalou fábricas para óleos e guanos em seu território, e  em seguida em Angola, para onde fez deslocar uma flotilha caça e  construiu instalações fabris na Praia Amélia, a 6 quilómetrosa dul de Moçâmedes.


O antartico, entretanto, começou a seduzir este povo de navegadores para a caça de baleias que iriam caçar em campo virgem muito abundante em cetáceos. E para a região antártica seguiu a primeira expedição norueguesa organizando então empresas com capitais franceses e ingleses enoruegueses que vieram trabalhar para a costa ocidental de África, junto ao Equador, e outras que tinham o seu campo de acção naquela região glacial.


Até certo momento as instalações para o fabrico de óleos e guanos de baleia eram construidas em terra, porque a caça se fazia numa zona marítima muito limitada, mas quando se reconheceu a necessidade de procurar londe os cetáceos afugentados da costa pela perseguição sem tréguas que lhes era feita, houve que que adaptar navios-fábricas, dentro dos quais se realizavam todas as transformações dos despojos das baleias, desde óleos aos torteaux alimentares. 


Os noruegueses instalados em Angola, abandonaram então a fábrica que possuiam na Praia Amélia, levaram para o seu país, utilizando os navios da flotilha , todo o produto da caça aos cetáceos feita em águas angolanas, por não terem pago os direitos que os serviços aduaneiros atribuiam a esses produtos, foi posto em almoeda todo o recheio dessa instalação fabril. Anos depois, por 1936, navios caçadores dessa mesma empresa começaram sulcando o Atlântico Sul , desde o ilhéu das Rolas, junto à ilha de S. Tomé, até Porto Alexandre, que, abatendo baleias, as faziam desviar para os navios-fábrica, onde se fazia a industrialização de todos os seus produtos.


Entretanto a Alemanha, que até 19936 pouco se tinha interessado pela caça destes mamíferos, preparando-se para a guerra, organiza frotas modelares, com fábricas flutuantes, e faz caça intensiva a esses cetáceos, conseguinbdo reservas enormes de gorduras de de carnes com que abasteciam as suas tropas durante o decurso da guerra última. Finda esta, e perante a insuficiência em gorduras e em carne, do povo, que saiu dela exausto e faminto, a caça da baleia passou a ser problema dominante dos países vencedores que encontaram que encontraram na exploração desses mamíferos monstruosos a solução mais fácil para acudir à fome e ao depauperamento orgânico das populações esmagadas pela violência bélica. E hoje, propagandeia-se por toda a Europa, as maravilhas alimentares da carne de baleia e, com ela, dizem as gazetas,  fazem-se banquetes onde se aglomeram centenas de pessoas para experimentarem o excelente produto. Com a gordura desse cetáceo submetida a hidrogenização, preparam-se margarinas que irão resolver uma das maiores necessidades nutritivas do povo sub-alimentado.


A Inglaterrra acaba de lançar ao mar para a caça aos cetáceos no Antártico, o maiot navio de todo o mundo, o "Baleana", de quinze mil toneladas, tenso a borso a mais perfeita apetrechagem para a conservação da carne e indistrialização das gorduras e "torteaux" alimentares.  Esse navop é acompanhado de uma flotilha de caça que leva a borso um avião para pesquisa e  localização de baleias.


O "Baleana" que partiu para o Oceano glaciar Antártico em fins de Outubro passado,  conduz uma missão de cientistas do Departamento Científico e de Estudos Industriais da Grã Bretanha, encarregado de estudar o uso da carne de baleia na alimentação humana, a sua selecção e classificação, conservação dela a bordo, e prática distribuição desse produto pelas populações em fome.  Antes do "Baleana" a Inglaterra havia mandado para os mares antárticos o "Empire Victory" que, durante uma estação de alguns meses abateu 1600 baleias que produziram 15 000 toneladas de óleo que, a bordo foi convertido em margarina para alimentação das tropas inglesas em guerra. E para os mares antárticos, em apressada corrida,  seguem flotilhas norueguesas, americanas, inglesas e dinamarquezas em busca de cetáceos, cuja carne e gordura resolvem em grande parte, o problema alimentar das suas populações que a guerra esgotou.


CONTINUA... 

Créditos de imagem:
umas retiradas de
http//:antigamente1900.blogspot.com
e outras gentilmente cedidas por Hernâni Nunes
AtlanticoSul, santuario de baleias

UM VÍDEO EM DESTAQUE

Pesca da baleia no navio «Lobito», 1929


Documentário de 1929, sobre a pesca da baleia. Filmagens a bordo do baleeiro “Lobito”, ao largo de Moçâmedes (actual Namibe, Angola).
Filme com 18’ 50’’, disponibilizado online pela Cinemateca Portuguesa.

PARA VER AQUI

Sem comentários:

Enviar um comentário