Aqui procurarei depositar retalhos de Estórias e da História de Mossâmedes (Moçâmedes, actual Namibe), uns, resgatados às páginas de antigos livros e documentos retirados das prateleiras de alfarrabistas, ou rebuscados no interior de bibliotecas, reais e virtuais... e ainda outros, fundados em testemunhos de vivos e experiências vividas. Porque é nas estórias e na História, naquilo que de melhor ou pior aconteceu, que devemos, todos, portugueses e angolanos, europeus e africanos, buscar ensinamentos, para que, não repetindo os erros do passado, sejamos capazes de nos relançar e progredir no futuro, enquanto pessoas e cidadãos. Citando o Padre Ruela Pombo (*): "Os mortos guiam os vivos!... É verdade: sem freio nem chicote...O passado impõe-se ao presente, e garante o futuro.O homem egoísta é inimigo do verdadeiro Progresso e prejudicial à Sociedade. É esta a minha ...ilusão!"



(*) in
“Paulo Dias de Novais e a Fundação de Luanda – 350 anos depois...”, 2 de Dezembro de 1926 – Arquivo Histórico Ultramarino, Lisboa, Portugal












quinta-feira, 13 de março de 2014

Mossâmedes, Moçâmedes, e a caça da BALEIA



 
Fábrica da Praia Amélia Oleo de Cetáceo para exportação, na Praia Amélia.


Praia Amélia,  assim chamada porque em l842  porque ali encalhou a escuna "Amélia", da Marinha de Guerra Portuguesa . A escuna de guerra "Amélia" era o aviso "Princesa D. Amélia", da esquadra miguelista, comprado em Inglaterra e apresado pelos liberais em 1833. Apesar do seu pequeno porte, o navio era valente, ligeiro e óptimo para qualquer golpe de mão. Em 1842, levantou ferro para Angola como correio marítimo, e em 13 de Dezembro desse ano, quando se achava próximo da Ponta Sul da baía de Moçâmedes, encalhou em pedra de 1.5 braças, saltando fora. O navio afundou-se.(In Arquivo da Marinha).

O  baixo da Amélia, nome que lhe foi posto ao local devido a esse afundamento, trata-se de um local muito perigoso por quebrar só de vez em quando, apesar de atingir uns 3 metros de água, em alguns pontos, constituído de rocha e areão, tem na fralda ocidental 2,2m, 3,5m, 4,5m de água, e 7,9 e 11m na setentrional.  Segundo  um texto do Blog Tropicália pode-se explicar assim o porquê deste afundamento:

 "...Passada a ponta do Noronha recurva-se muito a costa, forma uma enseada, que termina da banda do Sul na ponta da Anunciação, ou da Conceição, que é rasa, negra e só a custo se percebe do mar. Fica em 15° 16' Sul. A uma milha e seis décimos para ONO. da ponta do Noronha, fica o extremo setentrional do baixo da Amélia, nome que lhe foi posto por ter naufragado ali, em 1842, a escuna de guerra portuguesa Amélia, muito perigoso por quebrar só de vez em quando, apesar de ter pelo geral uns 3 metros de água, em alguns sítios.É todo de rocha e areão, tem na fralda ocidental 2,2m, 3,5m, 4,5m de água, e 7,9 e 11m na setentrional; perto dele e da banda do Oeste se encontram 22 m e mais, separa-o do continente um canal por onde só devem navegar lanchas.Por alturas do ano de 1840, a quem afirme ter visto na Praia da Amélia, navios de guerra ingleses passar por entre o baixo e a praia da Amélia, que lhe fica fronteira; julgamo-lo porém muito arriscado, assim por poder acalmar ali o vento e encostarem as águas para cima do baixio, por haver sempre seu rolo de mar. Dilata-se o baixo da Amélia por entre 15°14' e 15º18' Sul, vai até a umas 3 milhas da costa. Pode-se navegar por aquelas paragens, enquanto estiver a ponta Negra descoberta da ponta do Noronha, marca larga do extremo setentrional do baixo, e que passa uns oito décimos de milha para Norte dele."

 

No livro, intitulado "Demonstração geográfica e politica do território portuguez na Guiné inferior que abrange o Reino de Angola, Benguela, e suas dependências .."  escrito em Lisboa em 1846 e publicado no Rio de Janeiro em 1848, portanto, às vésperas do início da colonização de Moçâmedes.
o seu autor, Joaquim Antonio Menez escreveu este livro no desejo de chamar a atenção dos portugueses sobre as vantagens e recursos que a Metrópole poderia recolher do vasto e rico território de Angola, e lamenta que Portugal após a administração vigorosa e civilizadora de Pombal em pouco tempo tenha destruido as benéficas disposições que podiam tornar florecentes as Provincias d'além mar, que se estavam  mal,  pior ficaram, agravando a sua decadência.  O autor esteve em Angola no ano de 1842, dezesseis anos após a sua última estadia no território, e ficou surpreendido com a decadência. Viajou na escuna Amélia que naufragou em Moçâmedes, esse célebre episódio que deu o nome à Praia Amélia. Percorreu  pontos da costa até Luanda, que nessa altura apresentava já os sintomas de uma vida quasi extinta. Acabou por regressar a Lisboa em 1845, atrozmente perseguido, devido ao conceito que fazia da administração e a vontade de prestar algum serviço à Nação.


A caça à baleia e a fábrica dos noruegueses na Praia Amélia


Quem viveu em Moçâmedes, decerto não se cansou de ouvir histórias dos seus antepassados sobre a estadia dos noruegueses, tripulantes dos barcos da pesca às baleias, pertencentes a uma empresa norueguesa que se instalou na «Praia Amélia» (1), a seis quilometros a sul da cidade, com uma fábrica de grandes proporções para a época, a Knut Knut & Sons OAS, onde durante vários anos, desde 1918 até 1929, se industrializou a carne e a gordura dos cetáceos que a sua frota abatia. E decerto também não se cansou de ouvir, que a actividade dedicada à industrialização de óleos e guanos dos cetáceos decorreu a tal ponto que ainda recentemente apareciam grandes ossadas de baleia, ao fundo da Praia das Miragem e na Praia das Conchas.

Esta era uma época em que as instalações para o fabrico de óleos e guanos de baleia eram construidas em terra porque a caça se fazia numa zona marítima muito limitada. Porém, com a necessidade de caçar mais longe uma vez que os cetácios afugentados da costa com a perseguição que lhes era feita se desviavam para outras zonas, houve que adoptar navios-fábrica onde se realizava todo o trabalho de transformação dos despojos, desde os óleos aos torteaux alimentares. Foi então que os noruegueses instalados na Praia Amélia resolveram abandonar a fábrica, e servindo-se dos navios da flotilha levaram consigo toda a produção da caça aos cetáceos feita em águas angolanas. E como não tinham pago os direitos aduaneiros atribuidos a esses produtos, foi posto em almoeda todo o recheio daquelas instalações fabris.

Anos mais tarde, em 1936, utilizando os navios da flotilha, navios caçadores dessa mesma empresa começaram sulcando o Atlântico Sul, desde o Ilhéu das Rolas a Porto Alexandre, abatendo baleias e levando-as para o navio-fábrica, onde faziam a industrialização de toda a sua produção. 

Quanto às espécies dos mamíferos, mais abundantes nos mares de Angola, seriam, segundo relatório do Veterinário Dr. Carlos Carneiro : “a baleia preta (Megaptera longimana), a azul (Balaenoptera sibaldi), a fina (Physalus antiquorum), a rithwal (Balaenoptera guai), o cachalote ou perma- cete (Catodon macrocephalus) e a toninha (Delphinus sp).Mas, na data em que escreve, a pesca da baleia nas costas de Angola estaria já em crise ou mesmo perto do fim.
 Inclusivamente os armadores da pesca da baleia (maioritariamente noruegueses ou representados por portugueses que eram os seus “testas de ponte”) viam os seus interesses abalados por uma sobre-pesca ou haviam já introduzido navios-fábrica que evitavam as instalações industriais em terra e o pagamento de licenças e/ou impostos ao governo português. Tubarão baleia (Rhincodon typus). Porto Alexandre Porto Alexandre -tubarão-baleia Tubarão baleia (Rhincodon typus). Porto Alexandre Porto Alexandre -tubarão-baleia Tubarão baleia (Rhincodon typus). Porto Alexandre Porto Alexandre -tubarão-baleia (Rhincodon typus)

Os noruegueses que trabalhavam nessa fábrica da Praia Amélia marcaram uma época. Eles praticavam desporto e muitos deles eram exímios jogadores de futebol. Reforçaram os times da terra (em especial o do Ginásio Clube da Torre do Tombo, findado em 1919), que beneficiaram da boa técnica desses atletas nórdicos, dotados de experiência e dos mais avançados métodos de preparação física e táctica. Por outro lado, entregavam-se ao folguedo, com exuberância nas noites dos sábados, distribuindo-se pelas tabernas citadinas, ébrios e truculentos. Tocadores excepcionais de concertina, cantavam em côro, canções do seu país, e punham em alvoroço a pacata gente do pequeno e silencioso.

Partiram e não voltaram... As gentes pacíficas da terra não perderam, entretanto, as esperanças de um breve regresso. Mas em vão! Ficaram as saudades que uma abrupta partida originou. Também permaneceram as memórias desses tempo romântico, nas já citadas ossadas desses grandes animais por todo o litoral, especialmente na «Praia das Conchas».


 Navio baleeiro
 Recolha da baleia através de estrado
 Fábrica Norueguesa da Praia Amélia. Esquartejamento


Da Fábrica Norueguesa da Praia Amélia seguem imagens relacionadas com o corte e escala de grandes cetáceos.




 











 

 
 

 

Ainda sobre a presença de baleias na costa sul angolana, convém referir que já Fernando da Costa Leal  o 5º Governador do Distrito afirmava no seu relatório de 6 de Junho de 1857 , ser a costa de Moçâmedes abundante em cetáceos, sobretudo baleias, cachalotes e toninhas, isto numa época em que pesca era apenas realizada nas águas distritais pelos norte-americanos, julgando que os Estados Unidos desfrutavam então, universalmente, a primazia em tão rendosa indústria, pois nela empregavam avultado número de navios, conforme havia lido no jornal americano Walemen´s Shipping List, concluindo que deveriam sair, todos os anos, da Norte América, nada menos de oitocentos, «a percorrer os diferentes partes do globo». Também Manuel Júlio de Mendonça Torres, no seu livro «O Distrito de Moçâmedes nas fases da Origem e da Primeira Organização, 1485-1859 (...) G-Ceráceos», refere o seguinte sobre Navios baleeiros norte-americanos nas águas do Distrito, notícia que remete para o Relatório do Governador Fernando da Costa Leal «... que os baleeiros norte-americanos não perdiam ensejo algum que se lhes oferecesse de perseguir a baleia, quando ancorados no porto de Mossâmedes».e que «havia dias» (o relatório tem a data de 14 de Abril de 1857) «tinham aparecido na baía dois baleotes, e um dos navios que nelas estavam a refrescar deu-lhe caça com quatro escaleres, conseguindo arpoá-los e conduzi-los para bordo». E que nessa época «...viam-se com muita frequência cruzar o Atlântico, entre a costa do Distrito e a ilha de Santa Helena, quarenta a conquenta navios norte-americanos, apetrechados convenientemente e servidos por tripulantes hábeis e expeditos.» E que a abundância de cetáceos nas águas distritais justificava a permanência nelas de navios destinados à sua pesca. «...Os navios baleeiros norte-americanos que percorriam a costa do distrito tinham apenas duzentas a trezentas toneladas de arqueação, e, circunstância digna de nota, dos vinte a trinta marinheiros que os tripulavam, grande parte eram portugueses, naturais dos Açores e de Cabo Verde, considerados pelos capitães norte-americanos como os mais destros arpoadores. Na perseguição das baleias, os navios da grande nação norte-americana, navegavam, quase sempre, pouco afastados da costa, ora dirigindo-se para o Sul até ao Porto de Pinda e a Baía dos Tigres, ora encaminhando-se pelo norte até à baía de Moçâmedes, onde por vezes ancoravam para se abastecerem de refrescos. Ao aparecimento de uma baleia, aproximavam-se dela, e, feita a pontaria, depois de calculada a distância, um marinheiro, quando não arremessava à mão o ferro frio, disparava a whaling-gun, carabina de grandes dimensões, da qual partia um projéctil alongado: a bomblance. Atingida e morta, a baleia era logo içada para o navio, em cujo costado se conservava suspensa, até ser ali cortada em pedaços, que iam sendo atirados para o convés. Uma máquina especial movida à manivela, dividia depois esses pedaços, com extraordinária rapidez, noutros mais pequenos. Estes últimos eram,  em seguida, metidos em duas grandes caldeiras de ferro, assentes em fornalhas de tijolo, que se viam a dois terços do navio, para o lado da proa. Derretidos os pedaços contidos nas caldeiras, os baleeiros tiravam delas o azeite, tendo gasto na sua fabricação muito pouca lenha, porque aproveitavam sempre, como combustível, os ossos e os torresmos.» (1)






Pesquisa e texto da autoria de MariaNJardim


(1) Fernando Leal, foi o 5º Governador de Moçâmedes: ver AQUI



Bibliografia consultada:  texto do  Dr. Carlos Carneiro  publicado no Boletim Geral das Colónias Nº 174 do ano de 1948

VIDEO:  http://www.aplop.org/admin/artigos/uploads/baleeiro-lobito-filme-g.jpg

Ver também: http://www.infoescola.com/ecologia/caça-de-baleias/ 




Créditos de imagem: umas retiradas de http//:antigamente1900.blogspot.com e outras gentilmente cedidas por Hernâni Nunes Atlantico Sul, santuário de baleias UM VÍDEO EM DESTAQUE Pesca da baleia no navio «Lobito», 1929 Documentário de 1929, sobre a pesca da baleia. Filmagens a bordo do baleeiro “Lobito”, ao largo de Moçâmedes  (actual Namibe, Angola). Filme com 18’ 50’’, disponibilizado online pela Cinemateca Portuguesa.PARA VER AQUI

 Ver também AQUI 



(1) A respeito o encalhe na escuna "Amélia", em 1842,  transcrevo parte de um texto do Blog Tropicália:

 "...Passada a ponta do Noronha recurva-se muito a costa, forma uma enseada, que termina da banda do Sul na ponta da Anunciação, ou da Conceição, que é rasa, negra e só a custo se percebe do mar. Fica em 15° 16' Sul.A uma milha e seis décimos para ONO. da ponta do Noronha, fica o extremo setentrional do baixo da Amélia, nome que lhe foi posto por ter naufragado ali, em 1842, a escuna de guerra portuguesa Amélia, muito perigoso por quebrar só de vez em quando, apesar de ter pelo geral uns 3 metros de água, em alguns sítios.É todo de rocha e areão, tem na fralda ocidental 2,2m, 3,5m, 4,5m de água, e 7,9 e 11m na setentrional; perto dele e da banda do Oeste se encontram 22 m e mais, separa-o do continente um canal por onde só devem navegar lanchas.

 Por alturas do ano de 1840, a quem afirme ter visto na Praia da Amélia, navios de guerra ingleses passar por entre o baixo e a praia da Amélia, que lhe fica fronteira; julgamo-lo porém muito arriscado, assim por poder acalmar ali o vento e encostarem as águas para cima do baixio, por haver sempre seu rolo de mar. Dilata-se o baixo da Amélia por entre 15°14' e 15º18' Sul, vai até a umas 3 milhas da costa. Pode-se navegar por aquelas paragens, enquanto estiver a ponta Negra descoberta da ponta do Noronha, marca larga do extremo setentrional do baixo, e que passa uns oito décimos de milha para Norte dele."
 

Sem comentários:

Enviar um comentário