Aqui procurarei depositar retalhos de Estórias e da História de Mossâmedes (Moçâmedes, actual Namibe), uns, resgatados às páginas de antigos livros e documentos retirados das prateleiras de alfarrabistas, ou rebuscados no interior de bibliotecas, reais e virtuais... e ainda outros, fundados em testemunhos de vivos e experiências vividas. Porque é nas estórias e na História, naquilo que de melhor ou pior aconteceu, que devemos, todos, portugueses e angolanos, europeus e africanos, buscar ensinamentos, para que, não repetindo os erros do passado, sejamos capazes de nos relançar e progredir no futuro, enquanto pessoas e cidadãos. Citando o Padre Ruela Pombo (*): "Os mortos guiam os vivos!... É verdade: sem freio nem chicote...O passado impõe-se ao presente, e garante o futuro.O homem egoísta é inimigo do verdadeiro Progresso e prejudicial à Sociedade. É esta a minha ...ilusão!"



(*) in
“Paulo Dias de Novais e a Fundação de Luanda – 350 anos depois...”, 2 de Dezembro de 1926 – Arquivo Histórico Ultramarino, Lisboa, Portugal












domingo, 22 de abril de 2018

Ainda sobre Moçâmedes e o seu feriado...










Capitaneados por Bernardino Freire de Figueiredo Abreu e Castro, há quem afirme que primeiros colonos chegaram a Moçâmedes a 03 de Agosto de 1849,  servindo-se como fundamento  das suas argumentações  da existência de um ofício que de Moçâmedes fora dirigido ao Governador-Geral de Angola pelo Major Herculano  Ferreira Horta, homem que fora designado para dirigir a recepção aos colonos. Porém outros registam o dia 4 de Agosto desse mesmo ano, fazendo uso das afirmações de Bernardino  numa das suas crónicas publicadas Boletim Oficial Angola, referindo que a 01 de Agosto chegara a Moçâmedes  o Brigue Douro e no dia 04 a Barca brasileira "Tentativa Feliz",  após 74 dias viagem. 

Sabe-se porém que anos mais tarde Bernardino teria sido incumbido pela edilidade de Moçâmedes a narrar  em livro que registasse os mais releventes factos históricos do Município,  a mando do Governador Geral, e  que havia chamado  a atenção das Câmaras Municipais para que com base portarias Minsterio Marinha e Ultramar criasse em cada município tais livros designados Anais do Municipio.  Aí Bernardino ao abordar o problema da data chegada, aponta o 4 de Agosto, repetindo a afirmação quando das comemorações pela passagem do décimo aniversário da fundação da colónia em 1850.  Aliás esta data foi sempre aceite pelos colonos incontestavemnete,  e nesse dia foi sempre comemorada a festa municipal.

Pesquisa e texto por MariaNJardim

Sem comentários:

Enviar um comentário